sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

MANHÃ, por Raimundo Nonato Brasileiro


Já me esperavam as águas
As nuvens, o silêncio da paz
As caravelas beira -mar
O despertar dos pássaros
As boas vindas dos galos...

E de surpresa, entre bananeiras
Ao derredor de mim
Navegam barcos singrando nuvens
Desvirginando cantos de curiós 
volúpias de jumentos 
descegando a luz apagada
com badalos dos meus sinos imaginários. 

(Raimundo Nonato da Silva Brasileiro Augusto)

            

domingo, 3 de fevereiro de 2019

UM DIA, UNS OLHARES...



Um dia, numa bela praia,
Os coqueiros olhavam-me a dizer:
"Aprecie este dia,
Com o mais leve prazer,
Não há nada que supere a importância
De este dia você viver".

O mar olhava-me tranquilo
Como se estivesse a me dizer:
"Experimente esse dia com sabor,
Ative-se e combine com você
O gosto de mais um dia espairecer".

O céu acima a me contemplar,
Eu, o olhando como a entender
Aquele balé celestial
Das nuvens inquietas, a me dizer:
"Aproveite este dia com saber".

O sol reluzia na água,
E o reflexo brilhava a me dizer:
"Essa luz vem pra te avisar
Que cada dia é um aprendizado,
E é vital a lição aprender".

Caminhando pela areia cintilante,
Meu coração pode compreender,
Que toda essa arquitetura
É mesmo razão para agradecer,
Porque é fato consumado
Só Jesus faz isso por você!

O SABER VIVER, por Aluisio Rodrigues* (In memorian)


Se o mal nem sempre dura,
nem o bem se eterniza;
Se a vida são instantes,
e o instante não retorna,
pois o próximo é outra vida,
que se exaure no seguinte,
viver então o presente,
como deve e pode ser
esse, o segredo da vida,
de como saber viver.
Não há sentido em guardar
o fazer para amanhã
se mais certa a incerteza
do que pode acontecer.
Se o dia nasce e segue,
a noite chega e se vai
e outro logo também,
porquê, então, não viver
os bons momentos que temos
e extrair daqueles maus
algo de bom que eles têm
integrando o nosso tempo
no constante vai e vem?
Por quê não aproveitá-los
no fazer e no lazer
e aos prazeres juntá-los,
construindo o bem viver?
As coisas simples da vida
mais importantes se tornam
se extrairmos a essência
e o resto jogarmos fora.
Quem faz disso a existência
o viver presente; o agora,
vive a vida, curta ou longa,
ainda que inconstante,
porque não deixa esvair-se o momento;
o cada instante.

Aluisio Rodrigues
*Escritor, Membro da Academia Nacional de Direito do Trabalho, Professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte e Desembargador do Tribunal Regional do Trabalho da 13ª Região. Faleceu no ano de 2011.



VIDA DAS MINHAS VIDAS, por Carla Lucena



Tenho nos meus filhos
A mola propulsora da minha evolução,
Oportunidade que Deus me deu
De amar sem condição.


É um amor sem limite,
Dos mais puros que há.
Sincero, abnegado,
Fiel, abençoado.


Missão dificultosa,
Árdua por demais,
Mas quando bem exercida,
Garante Deus que traz paz.


E a Ele eu só peço sabedoria
Para bem cumprir minha missão,
Devotando-lhes muito amor,
A eles estendendo sempre a minha mão.

(Carla Lucena)

VERDADE SEM SOMBRAS, por Carla Lucena




Convidou-me um filósofo
A sair da caverna,
Para vivenciar a luz,
Até então apagada,
Através da reflexão,
Muitas vezes renegada.


Afirmou-me que a luz é a verdade,
Despida de aparências,
Mas com complexidades,
Que só quem abre os olhos
A enxerga com realidade.


Ah! Olhos de ver!
Que rompam-se os grilhões e as correntes,
Liberte-se da escuridão e abra-se à luz.


A luz da verdade,
Com suas dores e sabores,
A luz da realidade,
Sem véus ou disfarces,
A luz da essência,
Da consciência do SER,
Do verdadeiro VER.


(Carla Lucena)